2.4.08

toca uma canja ai!

Pensei que se tratava de um problema cambial, mas com a queda do dólar em relação ao real...a situação permaneceu. Gostaria, mas atualmente não tenho acompanhado, pois não sou consumidora deste mercado (até porque a grana não tem chegado ao meu bolso). Porém pensava que os preços permaneciam caros pela quantidade exacerbante de 'áreas VIPs', apostava que essa condição piorava com a proximidade do Projac e sua legião de 'globais'. Mas essa reportagem desconstruiu minha argumentação, parece que os ingressos estão extrapolando seus custos mundialmente! O engraçado é ver uma legião de músicos 'engajados' (e como tudo o que esse termo subjetivamente pode comportar) e que, ao meu ver hipocritamente, cobram 'os olhos da cara' pelos seus shows. E não há desculpas! Isso é o mercado fonográfico! Com venda de CDs e DVDs, lucram as gravadoras e com os shows, os músicos. É, parece que não existe mais os mocinhos nem os bandidos, existe mercado!

inspiração: jornal estadão
imagem: ingresso para o show de jimi hendrix, em 1968; cedido gentilmente pelo tio google

Nenhum comentário: